Fale com nossos especialistas

Av General Furtado Nascimento, 740, cj 60
Alto de Pinheiros
São Paulo  - SP - CEP 05465-070

 

contato@valemobi.com.br

Tel: +55 (11) 3024-8080

logo-branco.png

©2010-2020 - Valemobi Consultoria Empresarial S/A.

Todos os Direitos reservados.

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone LinkedIn

Gestão financeira inteligente - Soluções para o Mercado Financeiro - Software para gestão de investimentos

Governo cogita a legalização de jogos de azar para aumentar arrecadação

Líderes da Câmara foram consultados nessa quinta-feira pela presidente Dilma Rousseff e seus ministros, sobre qual seria a receptividade de suas bancadas quanto a legalização dos jogos de azar no Brasil. Deputados que estiveram na reunião, relataram que o governo avalia a possibilidade de permitir o funcionamento de bingos, jogos na internet, cassinos, jogos de bicho como forma de elevar a arrecadação para os cofres públicos, através de tributos. Consultado pela Folha de S.Paulo, o deputado Maurício Quintela Lessa (PR-AL), afirmou que Dilma e os ministros pediram que verificassem a receptividade da proposta, que foi sugerida na quarta-feira por senadores. Segundo ele, a maioria dos líderes q

Ibovespa cai forte com rumores sobre corte de rating pela Fitch; dólar dispara

O Ibovespa encerrou a sexta-feira com forte queda de -2,65% a 47.264 pontos, influenciada por cenário externo e rumores de que a agência de classificação de riscos poderá cortar o rating do Brasil ainda hoje. As incertezas sobre o ajuste fiscal e números mais fracos da arrecadação fiscal divulgados hoje, juntaram-se a boatos de que a agência deverá cortar a nota soberana do país ainda essa noite. No exterior, o clima também é de cautela, depois da reunião em que a presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, deixou claro de que o mercado deve estar preparado para uma possível alta dos juros ainda esse ano. O dólar disparou 1,96%, cotado a R$ 3,96. Os índices norte-americanos encerraram a sex

Ibovespa zera após decisão do Federal Reserve; dólar sobe

O Ibovespa terminou o dia estavel a 48.551 pontos. O índice que chegou a atingir alta de 1,97%, com expectativas da manutenção da taxa de juros pelos EUA, recuou após a presidente do Federal Reseve deixar claro que a possibilidade de aumento da taxa ainda este ano não está descartada. O motivo pela decisão de manter os juros no atual patamar entre 0% e 0,25%, foi devido o nível atual da inflação do país, que está abaixo da meta de 2%. Nível este que o Banco Central americano espera que seja mantido até 2018. Os índices norte-americanos oscilaram: Dow Jones caiu 0,39%, Nasdaq 225 subiu 0,10% e S&P 500 caiu 0,27%. O dólar avançou 1,25%, cotado a R$ 3,88, com a fala de Yellen. A lista de maior

Ibovespa inicia em queda com Fomc e Lula; a quarta-feira fechou com forte alta

A quinta-feira começou em queda, influenciada pela expectativa da reunião que definirá se os EUA elevam ou não a taxa de juros, e com fala de Lula contra o ajuste fiscal. Ontem o Ibovespa subiu 2,51% a 48.553 pontos, de olho no cenário internacional e nos rumores de que a Presidente Dilma estaria estudando a saída de Aloizio Mercadante do comando da Casa Civil e que Katia Abreu entraria em seu lugar, enquanto o assessor da presidente seria indicado para articulação política. Outro rumor que influenciou a alta de ontem, é de que Alexandre Tombini, presidente do Banco Central, seria substituído por alguém do mercado. Mas hoje, o blog Gerson Camarotti, do G1, afirmou que Mercadante permanecerá

Queda nas vendas do varejo é a maior desde 2000; Governo enfrenta dificuldades na aprovação do ajust

Foi divulgado hoje, o indicador que mostra o desempenho das vendas do varejo no Brasil, já é a sexta vez consecutiva de recuo. A queda em julho, na comparação com junho, foi de 1%, a maior para o mês desde 2000, quando teve início da série histórica do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Se compararmos com o mesmo período de 2014, a queda é ainda maior, de 3,5%. Em 2015, as vendas acumulam queda de 2,4%. Nos últimos 12 meses, a queda é de 1%. Só de novembro de 2014 até agora, as vendas do comércio varejista recuaram 7,2%. Dificuldade do Governo em aprovar ajuste fiscal O Governo tem enfrentado um problema que pode pôr a perder todo o esforço dos últimos dias, depois de di

Ajuste no Orçamento inclui volta de CPMF; aprovação depende do Congresso

Dentre as medidas anunciadas ontem pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy e pelo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, está a recriação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). A proposta do governo é de que a alíquota de 0,2% seja cobrada sobre todas as movimentações financeiras de pessoas físicas e jurídicas. Quando questionado sobre a duração da medida, Levy disse que a expectativa é manter a cobrança “por no máximo quatro anos”. Apenas com o novo imposto, o governo calcula que deve arrecadar R$ 32 bilhões em 2016, segundo os quais serão destinados “integralmente” a cobrir o déficit da aposentadoria pela Previdência Privada. “A volta da CPMF é o caminho com men

Ibovespa avança 1,90% com anúncio de ajuste no Orçamento de 2016

O Ibovespa avançou 1,90% a 47.282 pontos, passando o dia no positivo enquanto aguardava o anúncio de cortes do Orçamento de 2016, que foi anunciado no fim da tarde pela equipe econômica do Governo, alavancando ainda mais os ganhos no fim do pregão. O ajuste foi de R$ 64,9 bilhões no Orçamento de 2016, sendo R$ 26 bilhões em cortes de despesas. MEDIDAS DE CORTE DE GASTOS ANUNCIADO PELO GOVERNO DE R$ 26 BI (FOTO: REPRODUÇÃO) As medidas tomadas pelo Governo incluem suspensão de concursos, redução de cargos de confiança nos ministérios, redução de gastos no Minha Casa Minha Vida e no PAC, fim do abono de permanência para servidores que já poderiam ter se aposentado, mas seguem trabalhando e cort

Focus eleva contração do PIB e piora inflação e dólar em 2016

Divulgado nessa manhã pelo Banco Central, o Relatório Focus mostra que economistas de instituições financeiras esperam que importantes dados da economia brasileira piorem em 2015 e 2016. Apesar de manter inalterada a projeção para a taxa básica de juros (Selic) em 2015 e 2016, as projeções para o PIB, inflação e dólar sofreram alterações em ambos os períodos depois que o Brasil teve o rating rebaixado pela Standard & Poor’s. A estimativa para o IPCA, índice oficial da inflação, avançou de 5,58% para 5,64% em 2016, afastando da meta do governo de 4,5% ao ano, com uma margem de 2 pontos para mais ou para menos. Já para 2015, esse indicador apresentou leve melhora ante o relatório anterior, de

Ibovespa cai 0,22% com Petrobras puxando após “corte duplo”

O Ibovespa encerrou a sexta-feira com leve queda de -0,22% a 46.401 pontos, influenciada principalmente por queda da Petrobras, após ter rating cortado em dois níveis, perdendo o grau de investimento. Também esteve no radar a indefinição no cenário político, já que investidores aguardavam por anúncio de cortes do Governo, o que não ocorreu. No exterior, o clima é de espera por dados da China e a expectativa por Reunião do Fed que acontecerá na semana que vem e definirá a manutenção ou elevação dos juros dos EUA. Os índices norte-americanos encerraram a sexta-feira com pouca variação, Dow Jones avançou 0,63% a 16,433 pontos, Nasdaq subiu 0,54% a 4,822 pontos e a S&P avançou 0,45% a 1,961 pont

Mais de 30 empresas perdem selo de bom pagador da Standard & Poor’s

Depois que a Standard & Poors (S&P) rebaixou a nota soberana do país, iniciou-se um “efeito dominó”. A agência de classificação de riscos rebaixou mais de 30 empresas, tirando o selo de bom pagador, inclusive dos Bancos Bradesco, Itaú, Santander, Safra, Citibank e os estatais Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES e o Banrisul, reduzindo a nota igualmente à do Brasil, de “BBB-” para “BB+”. A justificativa da agência para a alteração das notas dos bancos, foi de que raramente notas de instituições financeiras são superiores à do rating soberano. Para a agência, o fato do Brasil ainda ter grande presença de bancos estatais no mercado, causa distorções no sistema, além de enfraquecer a

Ibovespa cai 0,33% com cortes da agência S&P e coletiva de Levy; dólar avança

O Ibovespa encerrou a quinta-feira com queda de -0,33% a 46.504 pontos. A bolsa brasileira chegou a atingir mínima de -2,3% após a agência Standard & Poor’s rebaixar a nota do rating do Brasil. As perdas foram zeradas por volta das 13h45, com notícia no ValorPro de que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, iria anunciar essa tarde em coletiva, cortes nas despesas para o Orçamento de 2016, que teria sido terminado pela presidente Dilma Rousseff. Mas isso não aconteceu, frustrando os investidores e levando o índice para nova queda. A agência de classificação S&P também anunciou nessa quinta-feira, o rebaixamento do rating de diversas empresas, inclusive da Petrobras, saindo de “BBB-“ para “BB”

Bolsa segue em queda e dólar salta após corte de rating do Brasil

Depois que a agência de classificação de riscos Standard & Poor’s retirou o selo de bom pagador do Brasil nesta quarta-feira, a reação do mercado não poderia ser diferente: Ibovespa em queda e dólar em alta. Às 10h50, o índice brasileiro recuava 1,25% e o dólar subia 1,83%, cotado a R$ 3,87. O mercado agora vive um dilema: a iniciativa da S&P deverá impulsionar as outras agências à reavaliarem a capacidade do Brasil em permanecer no grau de investimento? Caso outra agência de classificação de riscos siga o mesmo passo, o Brasil perderá, de fato, o selo de bom pagador. Para alguns analistas consultados pelo Infomoney, a decisão, que aconteceu após o governo entregar um Orçamento de 2016 com d

Brasil perde grau de investimento e selo de bom pagador. Ibovespa cai 0,22% com quedas de Petrobras,

A classificação de risco do Brasil foi rebaixada hoje pela agência de risco S&P. Com isso o Brasil perde o selo de bom pagador conquistado em Outubro de 2008. Como o anúncio saiu após o fechamento do mercado o impacto desse fato relevante ainda não sensibilizou os preços dos ativos negociados durante o dia de hoje na bolsa brasileira. O Ibovespa encerrou a quarta-feira com queda de -0,22% a 46.657 pontos. A bolsa brasileira que iniciou com fortes ganhos pela manhã, com influência do exterior, perdeu força após desânimo do mercado no exterior. Os índices norte-americanos que seguiam otimistas com os estímulos da China, acabaram perdendo força após dados de abertura de vagas de emprego nos Es

China e Japão reagem e animam mercados internacionais; Ibovespa e EUA operam em alta

Nessa quarta-feira as bolsas asiáticas reagiram aos estímulos do governo com recorde histórico no índice Nikkei 225, a alta apenas para essa bolsa foi de 7,71%, sua maior alta diária desde 2008. A bolsa de Hang Seng também subiu forte, com alta de 4,10%, assim como a de Shangai, que já havia avançado na véspera, subiu 2,29% com reação positiva do mercado. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, afirmou que o governo busca diminuir a taxa de imposto corporativo em 3,3% acumulados em dois anos a partir do próximo ano fiscal, que iniciará em abril de 2016. Os EUA e a Europa seguem os ganhos da Ásia com a estabilização do mercado chinês, os índices europeus e as bolsas dos EUA avançam nessa qua

Brasil pode ter aumento de impostos por decreto; Shangai sobe com estímulos. Cenário externo ajuda B

Diante das dificuldades do governo de fechar as contas de 2016 sem um rombo de mais de R$ 30 bilhões, e se desfazendo da recriação da CPMF, a equipe econômica do governo admitiu que cogita o aumento de impostos por decreto, aqueles que não precisam de aprovação no Congresso, como a Cide, alíquota cobrada sobre combustíveis; o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI); e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Ao contrário de outros tributos, esses tributos só dependem do Executivo, bastando apenas um decreto presidencial para que o aumento entre em vigor. Estudos do Ministério da Fazenda, segundo jornal Estadão, envolvendo o Cide, imposto sobre combustíveis, mostram que um aumento d

Ibovespa sobe 0,57% com exterior e notícia sobre impostos

O índice brasileiro encerrou a volta do feriado com positividade, avançando 0,57% a 46.762 pontos, seguindo o ritmo das bolsas internacionais, como a de Shangai, Dow Jones e europeias. Além disso, o que também motivou o bem-estar do índice, foi a notícia de que o governo avalia como possível a elevação de impostos por decreto. Apenas com o aumento do imposto da Cide (alíquota sobre combustíveis), a arrecadação seria de R$ 12 bilhões de reais. O índice norte-americano Dow Jones subiu 2,43% a 16,493 pontos, Nasdaq teve alta de 2,73% a 4,812 pontos e S&P 500 com alta de 2,49% a 1,969 pontos. As medidas tomadas pelo governo chinês para conter a desaceleração da segunda maior economia do mundo, f

Petrobras anuncia corte de gastos de US$ 12 bi; Empregados não gostam

Com uma crise interna intensificada pela queda do petróleo, a Petrobras agora estendeu o aperto financeiro aos empregados. Dia 26 de agosto, a companhia enviou comunicado aos empregados, informando-os que alguns gastos operacionais gerenciáveis seriam reduzidos ou até mesmo suspensos, usando como argumento que o momento é de esforços. Segundo a companhia, com os cortes previstos até 2019, serão poupados US$ 12 bilhões (equivalente a R$ 45 bilhões), apenas com cortes nas despesas com funcionários, como viagens e cursos. No comunicado, a empresa lista apenas as principais medidas imediatas de corte, e orienta os funcionários que procurem seus superiores para maiores detalhes sobre a medida. A

Ibovespa oscila mas sobe 1,94% com política, dados econômicos e exterior no radar

Em um dia de volatilidade, o índice brasileiro encerrou a quinta-feira positivo, avançando 1,94% a 47.366 pontos. Assim como os índices norte-americanos, o Ibovespa começou avançando forte pela manhã, mas teve ganhos amenizados. A partir das 14h30 o índice voltou a subir. No radar estavam a tensão sobre a permanência do ministro Joaquim Levy, dados do setor de Serviços e o cenário internacional. O início do pregão foi positivo depois que o desempenho do exterior melhorou em meio ao anúncio de estímulos na economia da zona do euro pelo Banco Central Europeu. Reportagem do Valor divulgou que Joaquim Levy cancelou uma viagem que faria a Turquia para participar da reunião do G20, para se reunir

Produção Industrial tem maior recuo em 6 anos; Selic é mantida em 14,25%

Dados da indústria têm sido preocupantes. O setor mais afetado na retração do PIB do 2º semestre, tem gerado uma série de más notícias nos últimos tempos. Enquanto na Europa o indicador da indústria (PMI) tem ganhado pontos, indicando uma recuperação contínua do bloco, no Brasil os dados têm novo recorde negativo: o recuo de julho foi de 8,9% em comparação ao mesmo mês do ano passado, o maior para meses de julho desde 2009. O recuo para o mês de julho em relação ao mês anterior (junho) foi de 1,5%, segundo divulgação do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na quarta-feira, 02. O recuo nesse tipo de comparação foi o maior desde dezembro de 2014, quando a queda foi de 1,8%. N

Ibovespa sobe 2,17% com exterior; dólar chega a R$ 3,76

Apesar de dados econômicos ruins no cenário interno, o índice brasileiro encerrou a quarta-feira com positividade, avançando 2,17% a 46.464 pontos, influenciado pela melhora no cenário externo. No Brasil, ainda fica no radar a reunião do Copom que decidirá sobre o futuro da taxa básica de juros, a maioria esmagadora dos analistas esperam pela manutenção dos 14,25%. Os índices norte-americanos se recuperaram do susto com a China e impulsionaram a melhora no Ibovespa: Dow Jones subiu 1,82% a 16,351 pontos, Nasdaq teve alta de 2,46% a 4,750 pontos e S&P 500 com alta de 1,84% a 1,949 pontos. A Petrobras passou boa parte do pregão no negativo, mas teve a virada após melhora no preço do petróleo d