• Valemobi

PicPay é a nova forma de pagamento do PagTesouro

O PagTesouro, plataforma de pagamento digital do Tesouro Nacional, passou a disponibilizar na última sexta-feira, 14, o PicPay como opção de cartão de crédito para pagamento das taxas públicas, multas e outros serviços.


Na plataforma digital, o cidadão consegue pagar às entidades da Administração Pública Federal por serviços, como importação de produtos, registro de patentes, multas (eleitorais, de trânsito ou ambientais) e outros.


Desse modo, o prestador de serviços juntou-se ao Mercado Pago e ao Pix, o sistema brasileiro de pagamentos instantâneos.


O que é o PagTesouro?


O PagTesouro foi desenvolvido em setembro de 2019 pela Secretaria do Tesouro Nacional, em parceria com o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Secretaria de Governo Digital e o Banco do Brasil.


Nela, o usuário pode escolher melhor a forma de pagamento para quitar suas dívidas, por meio do Pix ou do cartão de crédito, seja ele do Mercado Pago ou do PicPay.


Trata-se de um procedimento completamente digital, com uma compensação da transação imediata.


De acordo com o tesouro, muitos órgãos passaram a oferecer o Pix e o cartão de crédito aos contribuintes dentro da plataforma para recolhimento das taxas, serviços e demais valores devidos.


Veja abaixo quais órgãos oferecem estes tipos de pagamentos:

  • Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE);

  • Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI);

  • Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT);

  • Secretaria de Pesca e Aquicultura;

  • Departamento da Polícia Rodoviária Federal (DPRF);

  • Agência Nacional de Aviação Civil (Anac);

  • Comando do Exército;

  • Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);

  • Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA);

  • Fundo do Serviço Militar, Comando da Aeronáutica;

  • Fundo do Exército;

  • Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro);

  • Fundação Alexandre Gusmão;

  • Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

*Com informações do Ministério da Economia