©2010-2017 - Valemobi Consultoria Empresarial S/A.

Todos os Direitos reservados.

contato@valemobi.com.br
+5511 3024-8080

  • Facebook - Grey Circle
  • LinkedIn - Grey Circle

January 16, 2018

April 26, 2017

April 10, 2017

March 27, 2017

December 22, 2016

November 18, 2016

Please reload

Posts Recentes

Grécia adia pagamento de dívida e mercado tem forte queda com notícia

05.06.2015

A Europa ainda tinha esperanças que nessa sexta-feira a Grécia começaria a se desfazer de um percalço europeu, mas a primeira parcela do acordo bilionário não saiu do papel. Com pagamento de dívida adiado para o final do mês, agora a Grécia vê sua bolsa (Athex) afundar 4,55%, influenciando movimento de bolsas do mundo inteiro, inclusive o índice brasileiro, que abriu em queda.

 

 PRESIDENTE DA COMISSÃO EUROPEIA, JEAN CLAUDE JUNCKER (ESQ.) E PRIMEIRO-MINISTRO GREGO, ALEXIS TSIPRAS (FOTO: FRANCOIS LENOIR/REUTERS)

 

 

O FMI, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu tentaram negociar com o primeiro-ministro Alexis Tsipras, sem sucesso. Após diversos indícios de que não pagaria a primeira parcela, no valor de 300 milhões de euros, o primeiro-ministro confirmou nessa manhã que Atenas planeja quitar a dívida de 1,6 bilhão de euros numa única parcela, no dia 30 deste mês.

 

Hoje ainda, ao meio-dia (horário de Brasília) Alexis enfrentará a fúria de apoiadores de esquerda, pela mudança nos termos impostos por credores internacionais.

 

 

Entenda a dívida

 

Nos últimos anos, a Grécia gastou mais do que podia, fazendo diversos empréstimos e deixando tornar-se refém da dívida. Apenas na última década, os gastos públicos do pais foram às alturas, e salários do funcionalismo quase dobraram.

 

Em 2008, quando da crise mundial, o país se viu em um beco sem saída, com os cofres públicos sendo esvaziados pelos gastos e receita afetada pela cobrança de impostos, a dívida grega chegou este ano em 320 bilhões de euro (cerca de R$ 1 trilhão), superando, e muito, o limite de 60% do PIB estabelecido pelo pacto entre os países da zona do euro.

 

Hoje, o país sofre com as incertezas de credores, que exigem juros altíssimos para novos empréstimos.

Share on Facebook
Please reload

Please reload

Arquivo