• Valemobi

Seis ministros do governo Bolsonaro deixaram seus cargos nesta segunda-feira

Com poucas horas de intervalo, seis ministros do governo Bolsonaro informaram nesta segunda-feira, 29, que deixarão seus cargos. Todos os seus substitutos já foram definidos.


Relações Exteriores


O primeiro foi Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores, que decidiu renunciar ao cargo de chanceler em reunião com o presidente Bolsonaro, realizada nesta manhã.


O diplomata vinha sendo pressionado e criticado por outros parlamentares nos últimos dias, principalmente por sua gestão ter prejudicado a aquisição de novas vacinas contra a Covid-19, segundo eles.

Na última semana, mais de dez senadores pediram sua saída da função durante audiência no Legislativo, seguido por uma carta divulgada no final de semana, que contava com o apoio de 300 diplomatas que também pediam a sua demissão.


Quem assumirá a vaga será o embaixador Carlos Alberto Franco França.


Defesa


O segundo a deixar o cargo foi o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, conforme informado por meio de nota oficial.


Ainda que não tenha dito em seu comunicado, a saída de Azevedo e Silva foi a pedido do presidente do Executivo.


Quem assumirá seu lugar será o general Walter Souza Braga Netto.


Veja o comunicado na íntegra:

“Agradeço ao Presidente da República, a quem dediquei total lealdade ao longo desses mais de dois anos, a oportunidade de ter servido ao País, como Ministro de Estado da Defesa. Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado. O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da população brasileira. Saio na certeza da missão cumprida. Fernando Azevedo e Silva”


Advocacia-Geral da União (AGU)


O terceiro nome a deixar o governo é o ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), José Levi, que pediu exoneração do cargo.

“Com o meu mais elevado agradecimento pela oportunidade de chefiar a Advocacia-Geral da União, submeto à elevada consideração de Vossa Excelência o meu pedido de exoneração do cargo de Advogado-Geral da União”, disse em carta enviada ao presidente Jair Bolsonaro.

José Levi ocupava a função desde abril de 2020, quando foi nomeado para o lugar de André Mendonça.


Agora, Mendonça irá assumir seu lugar como ministro.

Justiça


O quarto nome a deixar a posição é o ministro da Justiça, André Mendonça, que entrará como ministro da AGU.


Em seu lugar, entrará o delegado Anderson Gustavo Torres, secretário de Segurança do Distrito Federal.


Casa Civil da Presidência da República


O quinto parlamentar a deixar seu posto é o ministro Casa Civil da Presidência da República, Walter Braga Netto.


Quem assumirá seu papel é o atual ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos.


Secretaria de Governo


Por sua vez, o sexto ministro a sair da vaga é o general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo.


Quem ocupará seu lugar é a deputada federal Flávia Arruda (PL-DF).


Além disso, a secretária de Educação Básica (SEB) do MEC, Izabel Lima Pessoa, também pediu demissão do cargo hoje por “motivo de ordem pessoal”, segundo assessor de comunicação do MEC.

Posts recentes

Ver tudo